terça-feira, 31 de janeiro de 2012

Não sei descrever o mundo sem a marca que deixaste no meu. Sem o sorriso que plantaste na função que o meu faz sempre que pensa em ti em cada momento do meu dia. Tentei, um dia, descrever um mundo sem a tua fragrância e sem a essência do teu perfume, mas descobri que é tudo cinzento sem a tua cor. Descobri que tu és o meu arco-íris e que eu sou o ângulo perfeito com o fazes o meu mundo. Que eu sou a marca que separa as riscas da tua cor e que tu és o volume de amor que cria as minhas. No mesmo dia, tentei subir ao céu e caminhar sobre a lua. Mas descobri, também, que um mundo sem as tuas asas e sem o brilho das tuas estrelas é vazio como uma bolha de ar. Escuro como a negrura de um buraco negro. Triste como as noites em que os teus sonhos não vivem e as tuas estrelas não brilham, porque sofres. Porque escondes o teu sorriso e os teus olhos cor do mar nas profundezas de tudo aquilo que não é teu, apenas do vento. Descobri que a minha vida nunca teria sido a mesma se não tivesses pisado a estrada que caminho e os sonhos que piso e possuo e anseio e desejo tanto. Que a minha vida nunca teria sido tão bonita e preenchida,  apaixonada e radiante, sem a marca que deixaste no momento em que pisaste o sabor dos meus lábios e a cor dos meus olhos. A verdadeira cor dos meus olhos. Aquela que diz o que sou quando és comigo e o que não sou quando vives num mundo sem a minha marca. Num mundo em que é tudo mais triste por não pertenceres ao meu presente e à minha segurança e felicidade. Num mundo marcado por ti e esquecido de ti quando o tempo passa e só o vento, que nem é teu, te trás. Tentei mesmo, um dia, tentar fazer tudo e descrever  o mundo e alcançar o céu, as nuvens e as estrelas mas encontrei-te em tudo, mesmo o que nunca foi meu para ser teu também. Tentei. Acho que ainda continuo a tentar, encontrar algum pedaço do mar que não traga o teu sabor enrolado na onda ou deixar de ver o teu sorriso em cada estrela do oceano que chega à minha encosta. Mas em tudo o que toco ou sonho ou alcanço a tua história está sempre marcada. Quer num pedaço do som ou num bocadinho de vento. Transportas-te na minha atmosfera e reages com todos os meus reagentes. És um bocadinho de tudo aquilo que sou. Até mesmo dos sonhos que nunca sonhei, das estrelas que num alcancei...

7 comentários:

  1. "És um bocadinho de tudo aquilo que sou" oh mariana tens uma escrita tão bonita,tão sublime:))

    ResponderEliminar
  2. Cada texto teu é um bocadinho da perfeição.

    ResponderEliminar
  3. É tão bom sentires esse amor nas minhas linhas. Que linda és e que palavras estas... Meu Deus!

    ResponderEliminar
  4. Ai é mesmo pequenina, matam por dentro.

    ResponderEliminar
  5. 'Acho que ainda continuo a tentar, encontrar algum pedaço do mar que não traga o teu sabor enrolado na onda ou deixar de ver o teu sorriso em cada estrela do oceano que chega à minha encosta.' tamanha perfeição...

    ResponderEliminar
  6. está mesmo fantástico, adorei.. revejo-me nas tuas perfeitas palavras :)

    ResponderEliminar
  7. como é possível não gostar de todos os teus textos: "Descobri que a minha vida nunca teria sido a mesma se não tivesses pisado a estrada que caminho e os sonhos que piso e possuo e anseio e desejo tanto." - revejo-me tanto aqui.

    ResponderEliminar