segunda-feira, 16 de janeiro de 2012

A vida inteira é muito tempo e a eternidade ao teu lado - essa que me fazia sonhar e voar mais alto que o céu-, foi enorme para pintar o meu coração. A vida inteira é muito tempo e o amor quando é apaixonado é mais fugaz que a velocidade da luz e do som. O amor, esse que nos faz sorrir e colorir o coração, quando é mais que paixão do olhar e desejo do toque, é mais fugaz que a vida inteira junto do tamanho do universo. A verdade é que tive medo de escrever sobre ti - até agora. Mas acho que toda a gente merece voar quando as asas estão presas só por estar... Mas acho que toda a gente merece voar quando nem o céu as faz pousar. Tive medo de escrever sobre ti porque ainda te amo e ainda te sinto meu como nos dias em que o nosso amor ainda era maior que o brilho das estrelas. Tive medo porque um amor como o nosso, tão bem pintado e arranjado e conjugado e brilhante, não voa com o vento quando os nossos caminhos se deixam de cruzar... Tive medo porque te deixei, numa rua sem o meu nome, quando o meu coração ainda era teu (como ainda o é). Tive medo porque ainda te amo mas não quero ser mais a tua menina. Porque não quero ser mais quem dói e cala e volta a doer e a calar. Tive medo... Mas a vida inteira é tanta para ter medo de algo que nos faz brilhar tanto como o amor que nos perfaz o coração. Mas a vida inteira é tanta para ter medo de te deixar de amar. Como quero deixar de te amar. Um dia, quando te amava e não era feliz, apercebi-me que a vida inteira é muita para ter que aceitar não ser feliz a cada momento. Para ter que aceitar que não ser a menina que dá cor aos meus olhos sempre é aceitável. Um dia, realmente, dei conta que nem o nosso amor entrelaçado e rosado e apaixonado me fazia querer voar no céu porque me perdi no momento em que não senti que merecesses o meu amor. Porque me perdi quando encontrei algo em ti que me fazia querer fugir para não voltar. Nesse dia percebi que a vida é tanta para não sermos felizes a cada momento. E que eu, tal como todas as pessoas que respiram neste momento, merecem toda a felicidade ao quadrado do que toda a que desejo para o mundo. E o meu amor, que era e é tanto por ti, quer mais de onde não há. Queria ter sido eterna contigo e abraçar-te num tempo irreparável. Mas aprendi que a vida é tanta e o amor é tão eterno para ser ausente quando não se precisa. Um dia, também, tive medo porque nunca virei costas ao amor que sentia por ti e, agora, decidi fazê-lo, com respeito e dignidade. Queria ter sido eterna contigo.... Queria. Mas a vida foi mais rápida que nós. E o tempo, um dia, decidiu não voltar atrás.

5 comentários:

  1. há um momento em que o coração aceita finalmente que tem de desistir, aceita finalmente o vazio que se instalou..e só nesse momento é que vai começar a tentar voar para bem longe. Leva tempo até esse momento chegar, se o "amor, esse que nos faz sorrir e colorir o coração, quando é mais que paixão do olhar e desejo do toque"

    ResponderEliminar
  2. O teu cantinho é repleto de palavras de ternura, que grande parte das vezes me fazem sair daqui com a lagriminha no canto do olho *
    Por muito que se queira, o tempo não volta atrás. Mas eu acredito que, um dia, tu serás " a eterna".

    ResponderEliminar
  3. digo-te exactamente o mesmo. dás vida às palavras.

    ResponderEliminar
  4. eu adoro de coração ler-te. és fantástica com as palavras mariana

    ResponderEliminar
  5. escreve sempre, sempre do dom tão teu. escreve sempre e adoças-nos sempre mais um pouco. és linda marianinha. muitos beijinhos

    ResponderEliminar