terça-feira, 26 de junho de 2012

Se ao menos soubesses....


Por alguma razão deixaste de saber como me amar. Há muito tempo que queria escrever isto e partilhar ao mundo o que todas as mulheres sabem: existe um momento em que os homens, por alguma razão, nos deixam de saber amar. Que, por alguma razão, quando nos têm como finalmente suas, nos deixam de amar, amando-nos na mesma. Mas deixam de se esforçar, perdem o sabor do querer e da saudade. E, hoje, ao olhar para ti e para o teu olhar que vive mas não sente, reparei que aconteceu contigo o que acontece com a maioria deles: deixam de saber amar quem amam. Reparei que aconteceu contigo o deixares de me querer fugosamente, o deixares de me abraçar porque te roubei um sorriso, o deixares de me sentir porque pensas que as mulheres são objectos que não sentem e não se preocupam com todos os detalhes. Uhhf! E ao menos se soubesses o que são detalhes! Se ao menos soubesses o que é precisar de ouvir que estás aí mesmo sem fitar uma palavra! Se ao menos soubesses as vezes que sinto a tua falta quando estás ao pé de mim! Há momentos na vida dos homens em que eles se esquecem de saber o que é lutar por o que já se tem, querer amar ainda mais do que já se amou. E hoje queria explodir nesses teus ouvidos moucos que as mulheres precisam de amor a toda a hora. Que as mulheres precisam de ser cobiçadas a toda a hora. Que as mulheres precisam de não se sentir sós a toda a hora. Que as mulheres precisam de se sentir, acima de tudo, amadas por quem as ama. Que tristeza me dá no peito saber que existem pessoas que não lutam por o amor a toda hora. Como tu. Que me amas mas que por alguma razão deixaste de me amar e agora somos dois na mesma cama mas em lugares diferentes. Quem me dera te acordar agora, nesse teu sono profundo, e gritar-te aos ouvidos que eu sou como todas as mulheres e que tu acabas de ser como todos os homens! Ou... Quem me dera acordar-te agora e ter-te só para mim, ter um "acordei só para te amar mais um bocadinho". Mas não. Nesse teu sono de homem que ama mas desleixa vontade nenhuma tenho mais que ames mas força mais nenhuma tenho para te tocar. Nestes momentos, em que parece que deixas de saber o que é uma mulher, ficas burro. Esqueces que me amas, amando-me na mesma. Digo-te que há dias que custa adormecer a teu lado... E nesses dias perco sempre um bocadinho a esperança em nós. Fico sempre um bocadinho mais triste e só penso nos dias loucos que outrora passamos a amar este amor que era nosso e que agora parece que se tornou doutro alguém. Dias em que o coração entristece por parecer que me perdeste dentro de ti e não sabes onde estou porque não te apercebeste que me escondes cada vez mais onde não consegues ver. Que me deixas em lugares de ti que nem tu conheces e nunca me vens procurar... Escrevo, agora, aqui, porque sei que muitas mulheres precisam de mim e porque eu própria preciso de descobrir alguma resposta no meio do vazio da tua voz. Amas-me tanto que pensas que não é preciso o querer ter e sentir as saudades porque já sou tua. Acontece que uma mulher precisa de amor a toda a hora... E o relógio continua a andar. E tu ainda a dormir.

1 comentário:

  1. e tu, Mariana? eu acho-te mágica, transformas o amor em algo tão bonito.

    ResponderEliminar