domingo, 16 de março de 2014

Gosto quando me olhas assim: no silêncio. Quando me dizes tudo assim: no escuro. Quando te derretes para me moldar, quando me moldo para conseguir ser o que és. Gosto principalmente quando és tu quem passa nas minhas letras, do prazer que sinto quando tudo o que sai de mim és tu. Tu e a vontade incontrolável de gostar de ti por aqui. Com palavras. Com palavras que significam muito mais que os beijos que se trocam na rua. Com silêncios que trespassam as letras para se encontrarem no teu coração. Gosto. De ser tua por escrever para ti. Adoro. Que me escorreguem as mãos por ser em ti que encontro a serenidade nos dias de tempestade. A tempestade no dias de serenidade. Amo que sejas o meu contraste. O que espelho não reflete sobre mim, mas o que sou para além disso... Aquilo que as barreiras não conseguem travar. O que o quente não consegue derreter e o frio gelar. Gosto: de ser a tua cor. O abraço que aconchega a tua pele, o perfume que infiltra o teu olhar. Porque tudo isso faz de mim alguém mais alguém. Alguém ainda mais feliz. Uma pessoa mais bonita. Um olhar mais profundo, mais brilhante, mais selvagem... Quando me pertences -e recordo-te que já não sei o que é não te pertencer- sou mais eu. Transmito muito mais de mim, dou muito mais do que sabia dar. E é por isso que gosto de escrever sobre ti. Porque sinto amor. Porque parece que escorrego em nuvens que te trazem ao colo, em águas que te escorregam sobre elas. Escrevo-te: porque fico a saber mais de mim. Mais do que as minhas mãos conseguem passar... É bom saber que te encontro quando o meu coração está tão embebido na vontade de soltar o amor que sente. É bom saber e sentir que te amo. Gosto de escrever: sobre ti e para ti. Sou alguém mais alguém. Sou um coração mais bonito: mais apaixonado. E isso molda o que sou, faz de mim uma pessoa mais alta que barreiras, mais suave que os horizontes... Gostar de ti é escrever assim. Soltar-me do mundo... Ser apenas das palavras. Essas que se constroem por serem feitas de ti

8 comentários:

  1. Disseste tudo nesse comentário Mariana. Tenho de aprender isso, tenho de deixar de ser tão racional e de me prender. Hoje ajudaste-me a perceber algo que me vai ajudar muito: «não importa de onde vem a maré que nos deixa a flutuar», o que importa é que nos deixemos ir com ela. Obrigada.

    ResponderEliminar
  2. As palavras, quando conjugadas com sentimento, fazem milagres. <3

    ResponderEliminar
  3. e como é bom ler os teus mimos, nunca espero outra coisa de ti. és uma menina tão tão ternurenta e cheia de amor :)

    ResponderEliminar
  4. Como é que te consigo seguir? Tu escreves mesmo bem!

    ResponderEliminar
  5. É tão bom ler textos assim... Obrigada, Mariana, por estas palavras doces. Vou dando uns saltinhos por aqui, gostei muito. ♥

    ResponderEliminar
  6. Gosto muito dos teus textos e da paixão que impões em cada um deles, Parabéns Mariana!

    ResponderEliminar