segunda-feira, 13 de abril de 2015

Perde-te num dia em que saibas que te vais encontrar. Mesmo que não o saibas. Mesmo que não faças ideia do que é perderes-te de ti. Mesmo que não saibas como te encontrar de novo. Deixa é que te percas. Em alguém. Nalguma coisa. Numa música. Em palavras bonitas. Num sonho. Às vezes falta-nos isso... Deixar de sermos um bocadinho do que somos. Para descobrir que somos tanto mais. Às vezes sinto que tenho de me perder. De soltar da minha história os calendários definidos. De agarrar o sol que faz dentro de mim. De me desprender da chuva toda. De deixar que o meu sorriso fale quando faz silêncio no resto do meu corpo todo. De deixar que ame mais do que costumo amar. Ou desapegar-me de alguma coisa, ou de muitas, se é essa a minha vontade. Momentos em que ser solta, do mundo mas não de nós, sabe bem. Muitas vezes, para me conseguir perder escrevo, porque me faz perder do mundo e entrar numa dimensão onde parece que tudo flui... Que parece que há palavras e frases tão bonitas que é impossível não ter pena das pessoas que perdem o entusiasmo tão cedo pelas letras. Pelo que elas são capazes de fazer a quem se sente preso demais na sua vida. Perde-te mesmo que isso aconteça sem dares conta. Porque isso nos liberta de todas as éticas não trabalhadas do dia-a-dia. Perco-me, outras vezes, ao sentar-me num banco de jardim onde ninguém me conhece e trabalho a mente para que toda ela se renove. Olho o céu... Aprecio as pessoas: ser tão fascinante e imperceptível. Que de tão imperceptíveis serem se torna tão fácil escolhermos uma vida para elas. Imaginarmos outra para nós. Perder-mo-nos da rotina faz com que o dia a seguir pareça ter mais sentido. Como beijar alguém que amamos. Como nos entregarmos a quem nos faz feliz. Como nos metermos pela rua que não deveríamos seguir e encontrarmos um caminho melhor. Como sorrir a quem passa ao nosso lado sem fazermos ideia do que se passa por detrás daquelas caras duvidosas (porque as pessoas às vezes parecem ter medo uma das outras e mal elas sabem que isso lhes faz tão mal). Que um bom dia bem dado pode mudar o dia de alguém. Para melhor. Perde-te... Pois às vezes encontras mais coisas do que a ti própria. Alguém que te encontre primeiro. Alguma coisa que há muito desejavas mas não tinhas coragem de fazer. Já to disse: perde-te. Nalguma coisa. Numa música. Em palavras bonitas. Num sonho. A vida não é para corrermos sempre na mesma estrada e vivermos sempre debaixo do mesmo sol. Pela vida fora existem três mil maneiras de viver. Solta-te. É bonito demais encontrar-mo-nos no meio de algo que não fazíamos ideia como chegar lá. Sê um sorriso quando pensas que não podes ser mais nada. Perde-te num dia em que saibas que te vais encontrar. Mesmo que não o saibas. Mesmo que não faças ideia do que é perderes-te de ti!!

3 comentários:

  1. É tão bom perdermo-nos! É como se tivéssemos a oportunidade de ser outro eu, mas mantendo partes de nós. É libertador, um desafio que nos fará crescer.
    Uma vez mais, adorei o texto *.*

    r: É mesmo dos melhores programas :D exato, às vezes temos a sensação de que determinada criação é bastante complicada, mas depois começamos a ver os passos e até se torna simples

    ResponderEliminar
  2. Minha linda mágica!! Palavras inspiradoras, mas acima de tudo verdadeiras e cheias de MAGIA!!! *.* nf

    ResponderEliminar
  3. Às vezes sinto necessidade de me perder, fazer um reset e recomeçar :-)

    ResponderEliminar