quinta-feira, 23 de fevereiro de 2012

Quando não sinto não sei escrever. Hoje não sei o que sou; ontem quis ser de ti; ouve um dia que me perdi e o amanhã ninguém mo diz. Quando não sinto não sei escrever. Quando não sei quem sou nem o que há-de ser de mim tenho dúvidas a desenhar as palavras. Não me sai do coração. E então não sei escrever. Porque desenhar o que não sinto não é escrever. Nunca será. E hoje não escrevi. Isto não são palavras. Nada saiu do coração porque não sei de mim. Tento-me encontrar mas não sei quem me perdeu. Se fui mesmo eu ou aquilo que quis esquecer de mim por te ter dentro do que sou.  Do que fui. Do que criei. Do que não tenho mais porque me perdi ao tentar levar-te embora com o vento... estando tu tão agarrado à minha pele

2 comentários: