quinta-feira, 3 de janeiro de 2013


Penso em ti e reparo que é possível ser feliz mesmo não te tendo nas minhas mãos enquanto te guardo no coração. Penso em ti e reparo que a felicidade não é um caminho fechado para quem ama e não é amado, que a felicidade é um caminho aberto que não exige chave em cofre nem uma combinação lógica que o faça abrir. Penso em ti, naquilo que deixaste em mim, nos anos de amor que vivemos, na paixão quente que amámos, no amor que vivemos, da alegria que sonhamos, dos caminhos que percorremos enquanto dormíamos um no outro... Penso em ti, em todas as vezes que me abraçaste, em todos os tempos que me beijaste, em todos os momentos que me deixaste ser tua e tu não foste nada mais do que meu... Penso em ti e constato que a felicidade que nos unia ruiu mas que a minha, a que reside naquilo que sou, não tem que ruir também. Constato que nenhuma felicidade deve ruir porque alguém que nos amava ruiu também. A minha vida depois de ti é uma vida sem ti. Uma vida em que te recordo no silêncio, em que chamo pelo teu nome quando durmo e a minha pele não sente, em que penso no teu corpo quando me sinto mas não me apercebo. Queria-te dizer que foste o amor da minha vida durante muito tempo, que ainda hoje sinto que não serei capaz de amar assim alguém mas que sei, lá no fundo, que existem muitos amores da nossa vida ao longo dela e que se te consegui amar desta maneira tão grande conseguirei também amar outro alguém que não tu porque deixaste o meu coração repleto de amor... Repleto de histórias para viver e de amores para sentir. A nossa felicidade ruiu mas a minha não. Mas o amor que me deixaste também não. Broto lágrimas no meu corpo hoje ao escrever-te não porque sinta a tua falta, porque o sinto, mas porque te estou a dizer adeus. Porque te estou a tirar dentro de mim... Porque não quero mais que sejas o passado que ficou mas sim um amigo que não morreu. Estou a chorar porque te amei da maneira mais grandiosa que alguém pode amar alguém e porque fui muito feliz contigo. Penso em ti e lembro-me  que ser feliz com alguém leva muito de nós mas também nos oferece paz quando esse alguém nos foge... Penso em ti e, apesar de termos ruído, sei que posso ser feliz porque me ensinaste como amar alguém amando a vida. Despeço-me de ti porque está na hora de nem a dormir te conseguir lembrar e de nem a sentir o meu corpo te conseguir sentir a ti... Porque está na hora de ser feliz por mim. Porque eu não ruí. Quem ruiu fomos nós e sempre existiu um eu e tu... Até um dia... Quando já não souber aquilo que hoje és...

2 comentários: