quarta-feira, 25 de março de 2015

A certa

Obrigada pela melhor vida de todas: aquela que vivemos quando somos felizes. E espero que entendas que quando digo feliz digo as outras coisas todas também. Que quando digo feliz quero dizer também triste. Que quando falo em felicidade trago tudo o que advém dela: as coisas boas e as coisas menos boas. Aquelas que são iguais a dias de nevoeiro serrado. Aquelas que só no cantinho do teu coração e no aconchego dos teus braços sou mais um bocadinho menos triste. E sabes que quando digo menos triste significa que estou melhor do que em dias de sol mas sem a tua parte. Sem ti. Sem o que me dás: que é tanto. Que quando digo feliz quero dizer maluca. Maluca por dares cabo da minha paciência e maluca por ti. Pelo teu corpo. Pela tua mão no meu corpo, pela tua pela na minha alma, pelas tuas unhas na minha carne. Quero que entendas que o feliz vem do que não é feliz também: mas que é isso que faz a vida ter tanto sentido. Tantos caminhos para as mesmas estradas. Tantos semáforos para apenas três cores. A vida é grande quando somos mais felizes. E tu fazes com que ela seja enorme. Capaz de sobrevoar e quase arranhar o brilho das estrelas (as mais bonitas e às vezes umas feiinhas) que a tantos quilómetros de distância parecem estar. Anos-luz, se quiseres falar à minha maneira tão esquisita como costumas dizer. Quero que saibas, também, que a melhor vida de todas é aquela em que somos mais do que uma pessoa só. Que somos tudo menos solidão. Porque no nosso coração mora um amor com dois corações. Com dois sorrisos e dois olhares que se conjugam em todos as conjugações do dicionário. Com dois pares de mãos que se comportam como um abrigo, uma segurança, um banco de jardim onde depositamos todas as nossas mochilas e o nosso corpo também. Que saibas, ainda, que ser feliz também engloba os momentos em que estou tão chateada que até tu pagas pelo troco que recebi da vida (e que mesmo assim nada muda a manta de amor que sentes por mim). Que saibas, ainda mais, que mesmo quando choro de saudade sou feliz por te ter do meu lado. A acalmar as minhas dores. Isso é também felicidade porque sei que tenho os lenços que limpam as minha lágrimas e a carga que carrega de novo o meu coração: tu. O melhor pedaço da minha vida. O mais avantajado. O mais aveludado. O mais aventureiro. O mais feliz. Que por ti tenho uma vida grandiosa (mesmo quando o resto do mundo me arrasta pelas florestas abaixo...). Que graças a ti vivo a minha vida com gosto em todas as carruagens que passo. Em todas as estações que sou mais ou menos feliz. Ser feliz é também estar triste (mas com a pessoa certa ao lado). E tu és a minha pessoa. A certa. A que me faz ter a melhor vida de todas: aquela que vivemos quando somos felizes.

1 comentário:

  1. E que continuem juntos por muito e muito tempo. Que continuem a estar felizes mesmo que tristes, mas sempre lado a lado :)

    ResponderEliminar